Terça-feira, 31 de Maio de 2005

O Tempo



O tempo é o nada ...
que invade e mata
a capa sopro de vento da alma
de vida ingrata de fim sem data.


O tempo é a praga
e nada de verdade
sem dó nem piedade
virtual realidade.


O tempo não existe
mas cruel ele insiste
em manter o homem triste
resistência que conquiste.


O tempo é ciente
do ser insuficiente
que não o contém inteiramente
e mergulha intensamente
do fim ao começo sempre.


 


(Autor desconhecido)


 

publicado por emptysoul às 11:38
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 28 de Maio de 2005

Lágrima

tears.jpg


Alma que se debruça nas janelas dos olhos,

Sugando do peito sentimento real...

Cristal reluzente, a lágrima conta

Histórias da vida... o bem e o mal...


Doce, suave, brilhante de amor,

Na comunhão dos corpos, saciado o desejo,

A lágrima quente do gozo perfeito.

Momento supremo, divino lampejo!


Lágrima de dor, alegria, saudades...

- Tantos os momentos que a vida nos dá! -

Coração transborda sentimentos seus...



De todas as lágrimas, talvez a mais triste

É aquela que escorre sem pressa, dorida,

No último brilho de um olhar de adeus...
publicado por emptysoul às 14:30
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 21 de Maio de 2005

Cantos da Alma

amarras.jpg


Enquanto a lua é metade
e passeia à vontade
sobre edifícios mortos
minh'alma vagueia
pelo espaço infinito
distante da prisão
de meu corpo,

com o qual me debato,
com o qual me agito,

transcendendo
o irreal dos meus sonhos
e o universo que habito.

Ouço melodias
tocando aos sentidos
numa linguagem misteriosa.

Fala-me em acordes
de tons e matizes
de sons e raízes ...

Música que ameniza
o vaguear constante
pelos CANTOS DA ALMA...
publicado por emptysoul às 16:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Maio de 2005

Última Vez



Hoje te quero
Como se fosse nosso ultimo dia
Numa simbiose de odores e gostos
Como um gesto de despedida
Seu corpo tão meu
Meu corpo tão seu
Como uma doença em recaída
Que leva a morte, que desnorteia
Quero que sejas a gueixa
Torne reais meus desejos
Te farei mulher
mais uma vez...

Quero
Te olhar profundamente
Te fazer saber a intensidade
do que vai em meu coração
Vem, deixa minha poesia penetrar em você
No seu intimo causar a revolução de vontades
que me domina a alma.
Seja minha,
como nenhuma mulher jamais o foi.
Vibre aos meus toques
Do beijo faça a chave
que abrirá a tormenta de sensações.
Mostre-se, revele-se
Eu a quero nua,
de conceitos e preconceitos.
Sem limites e sem medos
A entrega total
Onde tudo se pode
Onde tudo é real
Hoje te quero
Como se fosse a última vez


~ Almir Capthor ~
publicado por emptysoul às 10:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. Stylesheet

. principal

. Ao fechar os olhos...

. Teu corpo é um diálogo se...

. Teu Corpo

. Vem deitar-te a meu lado

. Promessa

. Mensageira

. Faz amor comigo

. Eu sei...

.arquivos

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds